Aumentar o número de agendamentos de novos pacientes pode ser um desejo comum a todos os médicos, certo? Porém, para alguns, anunciar os serviços na internet ainda é um mistério e causa receio, principalmente em relação à ética médica e o que pode ou não pode ser feito.

Ainda que, aos poucos, o Marketing Digital médico se coloque como uma possibilidade para alcançar esse objetivo, através da visibilidade e construção de autoridade no ambiente digital, conquistar uma agenda cheia de novos pacientes utilizando a internet e os anúncios no Google e em redes sociais demanda conhecer as plataformas, formatos de publicações e outros pontos.

Continue lendo para entender como o Marketing Digital e os anúncios em plataformas digitais podem contribuir para o sucesso profissional de médicos.

Planejamento estratégico

Ninguém melhor do que você para conhecer o perfil dos seus pacientes. Somado ao relacionamento do consultório, o planejamento para Marketing Digital médico utiliza de estratégias e ferramentas que ajudam a conhecer e segmentar o público, especificamente no ambiente digital, com informações sobre o perfil (gênero, faixa etária, localização geográfica, renda mensal, etc) e sobre comportamento e hábitos desse público, relacionados aos interesses e as fontes de pesquisa desses usuários.

Com essas informações, é possível mapear a persona e identificar todos os pontos da jornada do paciente, que considera todas as possibilidades para abordagens através de anúncios e também outras estratégias, que têm como principal objetivo gerar novos leads que, neste caso, são contatos interessados no agendamentos através de anúncios.

Escolha de plataformas de anúncios

Para definir qual é a melhor plataforma de anúncios para o seu negócio, mais comumente chamadas de Ads, é importante considerar as características de cada uma delas e as possibilidades de retorno para sua estratégia. Vamos citar aqui as principais.

O Google Ads é a plataforma de anúncios através da qual podemos observar todos os resultados de pesquisa do Google e também em outros sites. Existem dois formatos principais, a rede de pesquisa, com links patrocinados que aparecem nos resultados de busca do usuário, e a rede de Display, que são os anúncios com elementos visuais, a exemplo dos banners vistos em sites variados.

De maneira resumida, os anúncios no Google correspondem à intenção das pesquisas realizadas pelo usuário e, por isso, são associados às palavras-chave, ou seja, os termos digitados no Google, e outras configurações que são conhecidas como segmentações, sempre com algumas características do público-alvo.

Por outro lado, temos as plataformas de Social Ads, como o Gerenciador de Anúncios do Facebook, que permite criar campanhas no Facebook e Instagram, em todos os tipos de formatos (feed, carrossel, vídeo, stories, etc). Neste caso, a segmentação do público é voltada para a interação com as postagens e páginas das redes sociais, além das informações preenchidas no perfil pessoal. Sendo assim, não necessariamente é a busca por termos que determina para quem o anúncio vai ou não aparecer, como no Google, mas o comportamento do usuário na rede social.

Em todos estes casos, é importante considerar, já no planejamento estratégico, o interesse do público pela especialidade médica e quais canais fazem mais sentido para a implementação de anúncios. Lembrando que as plataformas de anúncios também podem ser combinadas dependendo da estratégia adotada, como o remarketing nas redes sociais para quem visita alguma página do seu site após uma pesquisa no Google.

Ética e publicidade médica

Um dos pontos que mais desperta receio e também representa um desafio para quem deseja anunciar serviços de saúde na internet são as regras para publicidade médica. O Conselho Federal de Medicina (CFM), assim como outras entidades de categorias profissionais, possuem regras para a veiculação de anúncios publicitários que partem do princípio do exercício ético da medicina.

Apesar de algumas restrições, como o “antes e depois” de pacientes, mesmo com consentimento, e divulgação de valores em anúncios, é possível criar campanhas atrativas e que respeitem todas as regras e evitem riscos de punições por parte do CFM.

Não deixe de conferir este e-book completo com todas as regras de Ética médica no Marketing Digital: o que pode e o que não pode ser feito

Conteúdo para anúncios

Agora que já falamos um pouco sobre a parte estratégica, podemos falar do criativo em si, que é o conteúdo dos anúncios para médicos. É importante, para esses tipos de publicidade, conter informações como o nome e o número do registro no CRM dos profissionais, nas postagens e na parte gráfica (fotos, imagens, vídeos), assim como a especialidade do médico e afins.

Sobre a configuração das plataformas, cada uma consta de ajustes necessários e específicos para veicular os anúncios, como tamanho do texto permitido, dimensões de imagens, segmentação de públicos e também relatórios que permitem acompanhar o desempenho e custos de cada campanha.

Por último e não menos importante, deve-se observar a página de conversão (conhecida como landing page) na qual os visitantes poderão solicitar o seu contato. Para isso, além de um formulário configurado para colher os dados (nome, telefone, email, etc) necessários dos leads (potenciais clientes), ao clicarem no seu anúncio, é importante deixar visualmente acessível informações como endereço do seu consultório ou clínica, cidades de atendimento e, claro, a descrição sobre a sua especialidade e os diferenciais do seu serviço.

Esperamos que este conteúdo sobre a criação de anúncios para médicos seja útil para sua jornada de aumentar, em volume e qualidade, os interessados em agendar uma consulta com você.

Tem alguma dúvida ou gostaria de começar agora no Marketing Digital? Fale com a Post Digital e nós vamos ajudar você a encontrar a melhor solução.

Douglas Gomes
Douglas Gomes
Douglas Gomes

Mineiro e Jornalista. Assistente de Marketing Digital e Redator de Conteúdo na Post Digital. Certificações em Produção de Conteúdo para Web, Inbound e Outbound Marketing, Sales e Google Ads e Analytics.