Ao estar à frente do marketing de sua empresa existem uma série de desafios para conseguir não só fazer com que os seus produtos ou serviços sejam atraentes, como também o relacionamento com o seu cliente seja cada vez melhor e que a sua marca se torne agradavelmente presente na rotina das pessoas que você deseja alcançar.

Por isso, para sua estratégia digital ser eficiente é fundamental considerar a newsletter como uma ferramenta importante de contato. Isso porque se relacionar com os clientes é uma das funções da newsletter, que não deve ser concebida apenas com a preocupação sobre o seu conteúdo, mas também dentro da periodicidade e frequência que ela deve ser enviada.

Então se a sua pergunta é: “Com qual frequência devo enviar minha newsletter?”, não deixe de ler as nossas dicas para que a sua comunicação seja cada vez mais eficiente. Aproveite também, e faça o download agora o nosso e-book gratuíto "O guia prático do E-mail Marketing" e aprenda tudo sobre essa importante ferramenta do marketing digital.

Conheça o seu público

Essa é sem dúvida a dica mais importante, afinal o fato de o responsável pelo marketing digital da empresa conhecer o público é o que vai fazer com que a newsletter seja realmente eficiente. Por isso, para saber quantas vezes enviar, quais assuntos funcionam e qual a frequência de envio, não deixe de conferir as métricas para ajustar qualquer ponto fraco, além de ressaltar os mais fortes.

Afinal, é esse know how que vai fazer com que você ajuste não só as questões práticas como os melhores horários para enviar e periodicidade, como já citamos antes, mas também os assuntos, qual o tipo de abordagem, imagens ou qualquer outro recurso que funcionam com quem recebe sua newsletter.

Mas afinal, com qual frequência devo enviar minha newsletter?

A resposta pode parecer um pouco vaga, mas entenda como um desafio. A verdade é que depende. Essa resposta você vai de fato conseguir se levar a sério a nossa dica anterior. Para cada marca e para cada público funcionam lógicas diferentes. Por isso, antes de perguntar “com qual frequência devo enviar minha newsletter?”, pense em quais são os objetivos que você deseja alcançar e qual o perfil do seu público-alvo.

Existem empresas que conseguem alcançar bons resultados enviando newsletter diariamente, mas para outras essa estratégia pode ter um efeito totalmente diferente e afugentar leitores que se cansam com mais facilidade. Vale lembrar que essa periodicidade também deve estar diretamente ligada a estrutura que você dispõe.

Se você não tem uma equipe grande, prefira uma newsletter semanal ou até mesmo quinzenal de qualidade, produzida e enviada dentro do perfil do seu público ao invés de investir em vários informativos, muitas vezes cansativos ou nada atraentes pois o resultado pode ser muito negativo.

Planejando os horários de envio

Se você já conseguiu definir qual a melhor periodicidade para o envio da newsletter da sua marca, saiba que existem outros detalhes que podem realmente fazer toda a diferença no seu produto final. É quase um consenso que para conseguir um resultado positivo e um produto de qualidade, o planejamento é fundamental.

E esse planejamento deve estar presente também na hora de definir os horários de envio da sua newsletter. A grande dica é tentar se colocar no lugar do seu público. Será que um texto complexo e cheio de números vai chamar a atenção das pessoas às 17h30 de uma sexta-feira? Você já parou para pensar que na segunda-feira de manhã, por exemplo, as caixas de e-mail podem estar cheias e muitas vezes a sua newsletter pode não chegar ao leitor?

Pois bem, considerar todos esses aspectos e acompanhar as métricas sobre os horários de pico são fundamentais caso você realmente deseje chegar até o seu público-alvo.

Como a call to action pode te ajudar

A call to action nada mais é do que o caminho ou links que o seu público terá para chegar até a empresa ou até a página que você deseja que ele veja. Muitas vezes são esses cliques que vão ajudá-lo a mensurar os seus resultados e naturalmente chegar a respostas importantes sobre periodicidade, horários e temas, por exemplo.

Por isso, faça com que a call to action também seja atraente e mais, que ela esteja em diversas partes da newsletter, assim se algum dos seus conteúdos não tiver o resultado desejado, você terá o conhecimento de que não foi por dificuldade em acessar, mas sim por algum outro problema que pode ser diagnosticado e solucionado de maneira mais simples.

Não tenha medo de mudar o que não vai bem

Uma vez que você já compreendeu todas as nossas quatro dicas anteriores, é fundamental que você também saiba que nenhuma newsletter nasce 100% pronta e perfeita, pelo contrário, é super comum e positivo testar novos modelos de abordagem, periodicidade e envio. Tudo isso feito de maneira planejada, colocando os prós e os contras de cada mudança na balança.

O mais importante é conhecer o seu público e assim ajustar o que não está funcionando até encontrar um modelo que realmente traga o resultado desejado para a sua marca.

André Cintra
André Cintra
André Cintra

Consultor, professor e palestrante com experiência em marketing digital e vendas. É CEO da Post Digital, agência de marketing digital fundada em 2010. Coordenou mais de 300 projetos personalizados para clientes nas áreas da saúde, educação, tecnologia, varejo e indústria. Ganhou o prêmio de Espada Ninja na Vitrine(Gold) no maior evento de marketing digital da América Latina, em 2019