O marketing médico já é bastante específico em todas suas estratégias e ações, justamente por requerer uma atenção especial em relação à ética na publicidade quando o assunto é saúde. Tanto o Conselho Federal de Medicina (CFM) como os órgãos estaduais e os relacionados a outros exercícios profissionais (psicologia, nutrição, odontologia e educação física, por exemplo) trazem orientações próprias sobre o que é permitido (ou não) ao promover serviços de saúde.

Já cobrimos muitas destas questões em nossos conteúdos, mas nunca tratamos de estratégias e canais específicos que são possíveis no Marketing Digital de médicos, clínicas e consultórios. A newsletter, um informativo enviado por e-mail, é um meio eficiente de manter contato com sua base de pacientes e ainda ajuda a trabalhar questões de lembrança da marca, relacionamento e autoridade, podendo atrair novos pacientes e também novas consultas com aqueles que já conhecem o atendimento.

Embora seja uma atividade interessante e relativamente simples, produzir uma newsletter que trata de saúde exige alguns cuidados e outras técnicas específicas, considerando sempre que este e-mail chegará na caixa de mensagens de diferentes pessoas. Nos próximos tópicos, detalhamos como utilizar as newsletters no Marketing Digital para clínicas e consultórios médicos.

Como montar sua newsletter

O primeiro passo é conhecer o formato e entender o que é uma newsletter. Estes e-mails são enviados de tempos em tempos (semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente) e trazem notícias ou outros conteúdos informativos. Newsletters não tem foco em produtos ou vendas. O texto é o mais importante, podendo ser complementado com imagens e vídeos. É interessante apontar links do seu próprio site, o que vai ajudar a aumentar o seu tráfego e também a mensurar os resultados das newsletters.

Para começar uma newsletter na área de saúde, é interessante ter referências do que outras empresas e profissionais estão fazendo. Outro passo necessário nesse começo é pensar na linguagem (o que é mais difícil caso não exista nenhuma outra iniciativa de marketing) e em um calendário de envios, já listando possíveis pautas, assuntos, conteúdos e links para cada e-mail. 

E o mais importante, ainda neste momento inicial, é garantir que a sua base de contatos autorizou este tipo de contato. Utilize somente os e-mails que você obteve na clínica ou através de outras ações, como formulários e páginas de conversão da sua estratégia de Marketing Digital.

Melhores conteúdos de saúde

Logo, se a newsletter prioriza os conteúdos que serão relevantes para seus pacientes, é importante que estes também tenham qualidade. Não é obrigatório apontar apenas para links próprios, seja de seus textos ou vídeos, já que é interessante indicar também notícias e trazer comentários sobre o momento atual.

O conceito da jornada do paciente, essencial para o marketing de conteúdo, também vai dar um apoio extra na produção dos seus conteúdos e também da newsletter em si. Entenda este conceito no vídeo a seguir:

Tratando da área de saúde, alguns temas de conteúdos são mais valorizados e atrativos quando o objetivo é informar e relacionar o seu público. São eles:

  • Opinião e comentários sobre notícias e acontecimentos;
  • Explicação e detalhamento sobre procedimentos e tratamentos;
  • Apresentação de exames e formatos de consulta ou atendimento;
  • Comentário sobre datas comemorativas e campanhas de saúde;
  • Lembretes sobre a saúde do público no geral (imunização, check up, etc).

Elabore temas de newsletter que combinem com sua especialidade e o perfil do seu público, baseando-se na persona do Marketing Digital.

Monitoramento e métricas da estratégia

Como todas outras ações possíveis no Marketing Digital, a newsletter oferece uma base de dados valiosa sobre os hábitos dos seus leitores, indicando se a sua estratégia está dando certo. Para disparar estes e-mails, você provavelmente estará utilizando uma ferramenta de automação de marketing ou agendamento de newsletters. Dentro da ferramenta escolhida, considerando que existem opções gratuitas e pagas, é essencial contar com uma área de monitoramento dos resultados e apresentação de métricas. Lá dentro você deve observar:

  • Taxa de entrega: relação entre o número de contatos na sua base e a quantidade de e-mails enviados. Uma taxa muito alta significa que seus contatos estão desatualizados.
  • Taxa de abertura: relação entre os e-mails enviados e a quantidade de pessoas que abriram a mensagem. É bastante variável, e trabalhar o assunto da mensagem é essencial para garantir essa curiosidade para conferir o e-mail.
  • Taxa de resposta: um pouco mais rara de aparecer tratando das newsletters, está relacionada ao números de respostas recebidas entre os e-mails abertos.
  • Taxa de cliques: número de cliques em itens disponíveis dentro do e-mail, separados entre cada link.
  • Descadastros: número de pessoas que optam por não receber mais as newsletters do seu endereço.

Uma boa newsletter, mesmo sem tratar de agendamentos ou serviços, é capaz de atrair mais agendamentos para sua clínica. Este é um dos objetivos do marketing de relacionamento, que ainda prioriza aqueles que já o conhecem para fechar mais consultas, exames, procedimentos e afins.

Aproveite e confira também o nosso ebook especial sobre Marketing de Relacionamento na Área da Saúde. Se ainda não conhece a newsletter da Post, cadastre-se no banner aqui embaixo, e deixe seu comentário caso tenha alguma dúvida.

Luciana Gameiro
Luciana Gameiro
Luciana Gameiro

É jornalista e especialista em Comunicação e Marketing Digital. Redatora e analista das estratégias de Inbound. Está no canal da Post e sempre atualizada nos últimos memes.