O uso de redes sociais é cada vez mais comum entre profissionais da área de saúde. Algumas dúvidas são recorrentes, com relação ao que postar e como manter um relacionamento com pacientes sem descumprir a regulamentação do Conselho Federal de Medicina sobre a ética médica na divulgação e comunicações.

As redes sociais tem a vantagem de aproximar pacientes e conquistar novos clientes para sua clínica ou consultório. Através do marketing médico digital, é possível criar conteúdos informativos que tenham relevância e, ao mesmo tempo, sejam úteis para atrair e fidelizar seu público.

Neste artigo, temos algumas dicas para que você saiba como utilizar redes sociais para profissionais de saúde e quais estratégias aplicar em cada uma delas.

Por que utilizar redes sociais no marketing médico?

Há tempos o Facebook, Twitter, Instagram e Whatsapp deixaram de ser ambientes para interação social apenas entre amigos e família. Hoje, empresas de todas as áreas e setores também exploram essas redes sociais para criar espaços de interação com clientes, seja através de anúncios ou de atendimento personalizado.

Segundo Resolução CFM n. 2.126/2015, no caso de profissionais de saúde, o uso de redes sociais é proibido para realização de consultas ou atendimento à distância. Os anúncios precisam conter o nome do profissional, especialidade e/ou área de atuação, quando registrada no Conselho Regional de Medicina, o número da inscrição no Conselho Regional de Medicina e número de registro de qualificação de especialista (RQE).

Além disso, é vedado o uso publicidade sensacionalista e fotos de antes e depois de pacientes.

Por outro lado, é possível seguir as normas e realizar um bom trabalho nas redes sociais e conquistar mais marcações na agenda da sua clínica ou consultório. Veja só!

Profissionais de saúde: como utilizar cada rede social

• Facebook

O primeiro passo é criar uma página na maior rede social do planeta. Inclua todos os dados sobre horário de funcionamento, formas de contato e localização do consultório ou clínica.

A identidade visual é outro fator importante para utilizar na foto de capa e no avatar da fanpage. Além disso, essa mesma identidade pode ser utilizada em banners e anúncios.

Conheça nosso guia completo com as dimensões de imagens e anúncios para redes sociais

Aqui, vale frisar que o CFM veda o uso de fotos de pacientes para anunciar procedimentos e realizar promessas ou promover conteúdos sensacionalistas. Dicas de saúde, frases inspiradoras e redirecionamento para postagens no blog da sua clínica podem e devem ser compartilhados no Facebook.

• Instagram

O Instagram possui mais de 50 milhões de contas ativas no Brasil e apresenta um alto nível de engajamento nas postagens. O planejamento do conteúdo das postagens deve ser pensado, principalmente, pelo apelo visual.

Fotos e vídeos devem ter cuidado estético sem apresentar autopromoção, anunciar técnicas exclusivas ou usar qualquer outra expressão sensacionalista como “resultado garantido” ou “antes e depois”, por exemplo, conforme as normas do CFM.

Além das postagens que aparecem no feed dos seguidores, os stories também podem ser explorados para manter um fluxo constante de publicações. Para isso, vale desenvolver um calendário de publicações que relacione-se com campanhas sazonais como o Outubro Rosa ou Novembro Azul, por exemplo.

Vale também estar atento e seguir com o conteúdo informativo e com embasamento técnico e científico, respaldados por profissionais e especialistas certificados.

• Whatsapp

O caráter instantâneo do aplicativo de troca de mensagens pode facilitar na hora de agendamentos de consultas e envio de confirmações ou exames complementares entre profissionais e pacientes.

Porém, o uso do Whatsapp por profissionais de saúde deve ser feito com cautela, principalmente pela proibição de realizar consultas e diagnósticos ou de prescrever tratamentos/medicamentos, além de fazer cobranças ou divulgar imagens de pacientes e procedimentos.

Na relação entre médicos e pacientes, vale o bom senso e conhecimento sobre o Parecer nº 14/2017 do Conselho Federal de Medicina que diz sobre a troca de mensagens individuais e em grupos.

• LinkedIn

O LinkedIn é uma rede social de caráter corporativo, por isso, os artigos e publicações tem uma abordagem mais formal. Esse espaço pode ser utilizado para divulgar desde vagas para contratação de profissionais para clínicas, networking com outros profissionais e compartilhamento de artigos opinativos.

• YouTube

Cada vez mais popular entre profissionais de saúde, o YouTube é uma plataforma eficiente para publicação de vídeos com respostas para dúvidas comuns com relação a saúde e bem estar.

Com alto poder de viralização, esse vídeos também podem ser em formatos de animação sobre o passo a passo de exames e procedimentos, com conteúdos informativos e institucionais sobre a estrutura da sua clínica.

Em todos os casos, o uso de redes sociais para profissionais de saúde, como falamos ao longo deste artigo, deve seguir os preceitos éticos e as normas estabelecidas pelos conselhos profissionais. Baixe nosso ebook gratuito Ética médica no Marketing Digital: o que pode e não pode ser feito e entenda um pouco mais sobre o assunto.

André Cintra
André Cintra
André Cintra

Consultor, professor e palestrante com experiência em marketing digital e vendas. É CEO da Post Digital, agência de marketing digital fundada em 2010. Coordenou mais de 300 projetos personalizados para clientes nas áreas da saúde, educação, tecnologia, varejo e indústria. Ganhou o prêmio de Espada Ninja na Vitrine(Gold) no maior evento de marketing digital da América Latina, em 2019