Podemos todos concordar que as decisões estratégicas de um negócio não podem ser feitas baseadas em “achismo” ou grandes ideias que simplesmente brotam nas nossas cabeças - embora muitas empresas ainda confiem nesse formato de decisão e (suposto) planejamento.

Nos três dias do RD Summit 2019, diversos profissionais subiram nos palcos para falar sobre a importância de trabalhar os dados - ou data, no inglês. Além de conhecer os conceitos de data thinking, data growth, power BI (Business Intelligence), digital analytics, data science e data-driven, as palestras e apresentações no evento também foram ótimas em apresentar as formas de coletar todos esses dados e utilizá-los.

A seguir, separamos alguns dos conhecimentos que tiramos sobre dados e métricas do marketing digital durante o RD Summit.

A importância dos dados e suas utilizações em 3 palestras

Wil Reynolds, um dos seis keynotes do evento e dono da consultoria Seer Interactive, abriu o último dia do evento falando sobre como ele alia o SEO e o PPC (pay-per-click) - respectivamente tráfego orgânico e mídia paga - para ter os melhores resultados para seus clientes. Isso só é possível pela utilização dos dados, desde a coleta até a correta interpretação. Ter essa visão foi uma grande virada de chave no trabalho da consultoria, que agora investe forte em BI, a inteligência de negócios.

Um dos exemplos - e dicas - que Reynolds passou trata da análise de palavras-chave. Escolher e investigar apenas os termos mais específicos para uma empresa vai sair caro no desenvolvimento da estratégia. É melhor parar e analisar todas keywords logo de início. Segundo ele, seus projetos analisam mais de 50 mil termos para cada cliente. Reynolds ainda relembrou que analisar os dados ativamente e reagir a eles vai poupar muitos recursos, e principalmente o dinheiro dos clientes.

Já Gabriel Costa bateu na tecla do data growth, falando sobre “Como usar dados e análises para encontrar as maiores alavancas de crescimento da sua empresa”. O termo data growth pode ser traduzido como crescimento com dados. Costa apresentou o método ACF para que trabalha com growth hacking. O método ‘Arroz Com Feijão’ consiste em fazer o básico e bem feito, partindo do conhecimento sobre seu negócio e o público. Só é possível acertar na estratégia de marketing digital para crescimento de uma empresa ao:

  • Analisar dados da empresa;
  • Analisar dados dos usuários e clientes;
  • Identificar as maiores oportunidades;
  • Dar poucos tiros (certeiros).

Isso foi apresentado dentro de todo o contexto sobre como Costa trabalhou o crescimento exponencial do Singu, um aplicativo e serviço de beleza. A última palestra que destacamos aqui foi apresentada por Ricardo Cappra sobre o “Marketing Analítico”. Para ele, responsável pelo Cappra Institute, essa área e profissão serão totalmente orientados pelos dados. Como um data scientist (cientista de dados), Cappra ilustrou como existe uma maturidade do conceito data-driven dentro das instituições. O primeiro estágio é o data-negation, em que os dados são completamente ignorados, seguido pelo data-curious, em que já existe um pequeno esforço para conhecer, e data-try ao aplicar as informações. Antes de chegar no estágio de data-driven, em que há a total compreensão e reação aos dados, informações e consequentes insights para tomada de decisão, está o estágio data-safety.

Destacou-se também a apresentação de Amanda Gasperini, da Fbiz (e matemática de formação), que focou em técnicas de estatística para apoiar decisões e planejamentos nas estratégias de marketing e growth.

‘O Essencial de Google Analytics: da informação à inteligência’ por Eleonora Diniz

Eleonora é CEO do Dr. Métricas, uma startup focada na análise de domínios e criação de relatórios estratégicos e preciosos para empresas. Especialista com mais de 30 anos de carreira em TI, sua apresentação apresentou o básico para quem quer trabalhar melhor - e de forma mais inteligente - com o Google Analytics. Essa ferramenta é gratuita, e por isso extremamente popular. Isso não significa que ela está sendo usada da melhor forma, e para isso Eleonora apresentou 6 passos para extrair o máximo do digital analytics:

1. Estratégia: com definição de objetivos e todo o planejamento para o site, incluindo as conversões desejadas dentro do domínio.

2. Indicadores: momento de selecionar os KPIs para acompanhamento.

3. Setup: configuração do Google Ads e do Analytics, com os devidos tagueamentos e acompanhamentos para seus visitantes e leads.

4. Validação: utilização de recursos para checar se os acompanhamentos estão funcionando, ex.: Google Tag Assistant.

5. Análise: verificação dos dados coletados e produção de relatórios.

6. Insights: interpretação dos dados em informações acionáveis para a empresa, tanto em marketing como em vendas, produto, atendimento e afins.

                                

Sem sombra de dúvidas, temos muito o que aprender e trabalhar com os dados, métricas e demais informações obtidas digitalmente. Se adaptar a esse cenário será mais do que um diferencial para empresas e profissionais, chegando ao nível de exigência mínima. E você, vai estar preparado para o marketing analítico?

Luciana Gameiro
Luciana Gameiro
Luciana Gameiro

É jornalista e especialista em Comunicação e Marketing Digital. Redatora e analista das estratégias de Inbound. Está no canal da Post e sempre atualizada nos últimos memes.