Que o público está preferindo o vídeo a outros formatos de mídia você com certeza já sabe. Ilustrativo disso é o fato de que em 4 anos, o consumo de vídeos na internet cresceu em 135% no Brasil. Esse dado foi apresentado Video Viewers 2018, realizada pelo Google e o YouTube.

Outras informações interessantes da pesquisa incluem o fato de que 80% dos entrevistados declararam procurar conteúdo que a TV não oferece através dos vídeos online, e 75% usam o smartphone para assistir vídeos. A Video Viewers indicou também as principais motivações do público quando consome esse formato de conteúdo. São elas:

  • Entretenimento (38,7%);
  • Conhecimento (29,8%);
  • Conexão (22,3%);
  • Identidade (9,2%).

Esses dados e outros tantos foram citados em diversas palestras e painéis do CASE 2018, a Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo. Grande maioria dos encontros foram promovidos na arena Connect Samba, evento parceiro promovido pela Samba Tech, uma plataforma de vídeos online.

Youtubers, influenciadores e profissionais da comunicação falaram nos dois dias de evento sobre os formatos e canais para os vídeos, benefícios desse conteúdo, viralização, engajamento, retorno em publicidade e outros tantos fatores.

Veja agora o que os palestrantes falaram sobre o uso de vídeos em estratégias de marketing e como esse tipo de conteúdo gera um grande engajamento.

Vídeos no Marketing

O uso dos vídeos como parte da estratégia de marketing digital foi abordado por profissionais como Guilherme Retz, da Heineken, e Leandro Faria, da Riot Games, além da Gerente de Vendas e Soluções para Marketing do LinkedIn, Michelle Schneider.

Retz falou principalmente sobre como os vídeos ajudaram a construir a marca da Heineken. Ele lembrou que a cerveja está no Brasil desde 2010, porém no mercado internacional desde 1864, e as campanhas em vídeo fazem parte da estratégia de comunicação em todos os países em que a marca está presente.

No Brasil, como a marca já chegou em meio a era digital, a política para os vídeos no marketing é o “digital first”: pensar nas mídias online primeiro. Assim, suas campanhas são focadas em compartilhamento, de forma que cada peça é uma mensagem única. A Heineken segue a diretriz EFE (Excellent Facebook Executions) antes de produzir e subir suas campanhas em vídeo. São 7 pontos:

  • Atenção instantânea: prender a atenção nos primeiros segundos;
  • Link com a marca: apresentar a marca também nos primeiros segundos;
  • Objetivo do negócio: usar a criatividade para transmitir a mensagem
  • Com som e sem som: conteúdo que funcione mesmo com o som desligado;
  • Destaque para o que importa: enquadramentos, zoom, etc.;
  • Interesse do começo ao fim: manter a atenção do usuário até o fim do vídeo, relevância;
  • Feito para mobile: usar formatos adequados aos feeds das redes em mobile.

Já Leandro Faria, representante da empresa criadora do jogo League of Legends (LoL), apresentou como a Riot Games usa o conteúdo em vídeo para criar uma comunidade com seus fãs em todo o mundo. Ele cita como essa é a mídia mais “óbvia” junto ao público de games online, e assim a empresa investe em storytelling e outros formatos para criar um senso de comunidade.

Engajamento com vídeos: como fazer?

O engajamento é uma das métricas mais desejadas ao se trabalhar com os vídeos no meio digital, o que foi abordado por Faria ao exemplificar as histórias e formatos utilizados para atrair e relacionar os jogadores de LoL. Esse item também foi tratado em um bate-papo com os influenciadores Maurício Meirelles e Felipe Titto

Ambos relembraram que o conteúdo que engaja não segue nenhuma regra ou formato específico, e por isso pode estar em qualquer rede. O que é importante mesmo é se diferenciar, encontrando formas criativas de sair do básico, porque existem muitas opções de conteúdo disponíveis em todas as redes e ainda na mídia tradicional.

Logo, para conseguir o tão desejado engajamento, é importante trazer conteúdo novo e relevante, sem exagerar no tamanho dos vídeos. Lembre sempre que a marca e o ponto para prender a atenção do usuário devem estar dentro dos primeiros 8 segundos. Uma empresa pode avaliar e investir em formatos variados como as transmissões ao vivo, vídeos para LinkedIn, vídeos educativos, campanhas de branding, etc.

Para medir o engajamento, Guilherme Retz indicou a métrica CR (Completion Rate) como a mais adequada, por medir exatamente quantas pessoas assistiram até o final de um conteúdo. Os compartilhamentos desses vídeos também são importantes, assim como retorno em vendas para campanhas de marketing.

Quer saber mais sobre o CASE 2018? Leia o nosso artigo principal sobre tudo o que vimos durante a conferência.

André Cintra
André Cintra
André Cintra

Paulistano e CEO da Post Digital, empresa que fundou no inicio de 2010, com a idéia principal de desenvolver projetos digitais estratégicos e focados em resultado (conversões). Trabalha profissionalmente com internet desde a época da bolha, já desenvolveu mais de 300 projetos sob medida, é certificado Google para rede de pesquisa, rede de display e analytics e é especialista em SEO.