Mesmo presentes na internet através de fóruns, redes sociais e sites no geral, uma maioria de usuários não participa ativamente da comunidade. Essa é a constatação da regra do 1%, ou regra 90-9-1.

Esse princípio, por vezes apresentado de forma invertida como 1-9-90, reflete que 1% dos usuários de uma rede criam conteúdo, enquanto 9% edita, modifica e divulga esse material inicial. Os 90% restantes simplesmente consomem a informação, sem participar ativamente.

Em 2006, essa regra foi referida como desigualdade de participação em artigos e tópicos de marketing, se popularizando como ponto de estudo para a comunicação na era digital.

Conheça agora como a regra do 1% se reflete nas estratégias de marketing digital.

3 perfis de usuários

Dentro do princípio 1-9-90, os usuários de uma comunidade online são divididos entre Alfas (ou inovadores), Multiplicadores (ou disseminadores) e Consumidores.

O 1% correspondente aos Alfas é quem faz o conteúdo digital e, consequentemente, influencia todos os usuários seguintes. Aqui se iniciam as discussões e tendências do universo online.

Os Multiplicadores, como o nome sugere, são o grupo de 9% de usuários que fazem a redistribuição desse conteúdo, que fazem um filtro do que é interessante ou importante e participam das discussões.

Por fim, os 90% correspondentes aos Consumidores são apenas receptores do conteúdo inicial e das discussões realizadas sobre. Como esse público é a clara maioria dos usuários online, criou-se um debate sobre como a (falta) de participação destes pode afetar na distribuição e interação de conteúdos.

Como a informação segue linearmente a proporção 1-9-90, os profissionais de marketing e publicidade se dedicam a conhecer essa regra e a participar dela de forma orgânica.

Efeito no marketing

Na era do Marketing 4.0, o usuário ajuda a construir o significado de uma marca e, em seu processo de compra (os 5 As), quando tem uma afinidade e fidelidade a uma empresa, trabalha gratuitamente como advogado da marca.

O marketing boca a boca se fortaleceu no ambiente digital. Já não basta que as empresas façam a divulgação de seus produtos ou serviços, os clientes querem recomendações e confirmações de outros usuários: influenciadores digitais, fóruns de discussão, amigos e familiares.

Assim, o marketing precisa se dedicar para conquistar os Alfas e usá-los como influenciadores dos demais usuários, promovendo uma empresa ou um produto de forma orgânica: o marketing de conteúdo.

De certa forma, também é possível pagar ou patrocinar influenciadores digitais para uma ação de marketing, observando se há um alinhamento ou alguma forma de relacionamento entre usuário e produto.

Mas para isso vale mais um cuidado: muitos consumidores estão atentos a contradições dos influenciadores e já sabem muito bem que nem sempre o que é apresentado em um vídeo ou outro conteúdo pago condiz com a realidade.

Fazer essa estratégia sem pesquisa e alinhamento prévios pode ter o efeito contrário para a regra do 1%, impactando a opinião do público sobre sua empresa de forma negativa.

É importante lembrar que, como empresa, ainda vale a pena apostar no marketing de conteúdo e produzir materiais relevantes e atrativos, atendendo a primeira etapa da jornada de compra: a de assimilação.

Quer se aprofundar na jornada do consumidor e estruturar uma estratégia de marketing dentro do conceito? Baixe o nosso ebook Funil de Vendas na Prática e saiba ainda como usar o conteúdo como um aliado!

André Cintra
André Cintra
André Cintra

Paulistano e CEO da Post Digital, empresa que fundou no inicio de 2010, com a idéia principal de desenvolver projetos digitais estratégicos e focados em resultado (conversões). Trabalha profissionalmente com internet desde a época da bolha, já desenvolveu mais de 300 projetos sob medida, é certificado Google para rede de pesquisa, rede de display e analytics e é especialista em SEO.